📽️CRÍTICA | A sociedade literária e a torta de casca de batata

⌕ · Bem vindoㅤ✦ㅤBlog por Elly Melo
⊰ escrito em ༄ 05 ∶ 07 ∶ 2020 ‹

.ㅤㅤㅤ.ㅤㅤㅤ.ㅤㅤㅤ.ㅤㅤㅤ.ㅤㅤㅤ.

Filme: A sociedade literária e a torta de casca de batata

É perceptível que esse filme deve acender aquilo que todo leitor mais gosta, a magia da leitura, romance e um pouco de mistério. A sociedade literária e a torta de casca de batata, também conhecida pelo título inglês de The Guernsey Leterary and potato peel pie society conta uma interessante estória sobre uma escritora famosa que conhece uma pequena e humilde sociedade literária que esconde um grande segredo.

Esse filme é uma adaptação do livro escrito por Mary Ann Shaffer Annie Barrows. Dirigido por Mike Newell, com um elenco de atores já conhecidos pelo público, e outros que são tão bons quanto.

.ㅤㅤㅤ.ㅤㅤㅤ.ㅤㅤㅤ.ㅤㅤㅤ.ㅤㅤㅤ.

O filme se passa um ano depois da Segunda Guerra Mundial com Juliet Ashton, uma escritora inglesa que usa um pseudônimo masculino para publicar seus livros. E que sofre com um trauma causado pela guerra.

Logo em seguida conhecemos Mark, seu namorado. Um homem nova-iorquino, bonito e bem sucedido em um alto cargo do exército, e que é completamente apaixonado por Juliet. Seu personagem parece se importar muito com o bem da amada e a deseja em seu futuro, mesmo estando juntos a pouco tempo.

Contudo, a história principal inicia de fato quando Juliet recebe sua primeira carta de Dawsey Adams falando sobre a “sociedade de literatura e torta de casca de batata”, e a partir daí que tudo se desenvolve. Juliet insatisfeita com suas últimas obras, vê naquelas cartas a oportunidade de se reencontrar e voltar a escrever sobre aquilo que gosta. Tomada pelo impulso, decide ir ao encontro da sociedade de leitores, e se vê inserida em um mistério guardado a sete chaves pelo grupo.

Dawsey é um homem simples e sem riquezas, que faz o que pode para sobreviver depois do rastro e traumas que a guerra deixou pelo caminho, e no meio desses destroços e miséria, ele herda uma pequena riqueza chamada Kit, filha de Elizabeth. E é curioso como fica visível em Juliet a sua admiração pela pessoa Elizabeth, como se ela fosse um modelo daquilo que Juliet almeja recuperar, uma mulher corajosa e decidida de seus valores.


Se você gostou do que leu até agora, sugiro então que pare por aqui e assista o filme. Mas não se esqueça de voltar para ler o resto, pois logo abaixo começarei a falar sobre alguns pontos do filme e que terá alguns spoilers. Mas se pra você for tudo bem, okay. Só não diga que eu não avisei hahah

.ㅤㅤㅤ.ㅤㅤㅤ.ㅤㅤㅤ.ㅤㅤㅤ.ㅤㅤㅤ.

Vamos falar sobre o filme?

Sobre a parte técnica, em várias cenas podemos ver o enorme anel de noivado da protagonista em pequenas cenas com foco de câmera, e essas nuances deixavam um tipo de aviso (🦋), como se falassem “vai acontecer algo com esse anel, por isso estamos focando nele”, e então abriam uma brecha para quem está assistindo o filme esperar por um possível roubo ou perda, mas não é o que acontece. Na verdade o anel é só algo simbólico, que na verdade não é tão importante mas colocaram só como uma peça de conflito. E isso vai ocorrendo várias vezes em outras pequenas cenas com essa mesma pegada, feitas somente para criar uma conexão entre cenas, mas que de fato não são tão relevantes para a estória, e essas brechas na direção de câmera acaba deixando o filme com algumas rachaduras desnecessárias.

Mas um dos ponto positivo nesse filme foi a ótima sacada de usar um mistério para prender o telespectador na história, e usar Juliet como nossa lupa de investigação, no qual descobrirmos o que realmente aconteceu com Elizabeth. E podemos observar que a Guerra foi a principal chave de conexão entres as estórias e personagens, e usaram isso no filme com muita sabedoria.

.ㅤㅤㅤ.ㅤㅤㅤ.ㅤㅤㅤ.ㅤㅤㅤ.ㅤㅤㅤ.

Além disso, o filme nos mostra a importância da leitura não como algo só saudável para nosso cérebro, mas como uma fuga de momentos ruins em que podemos nos distrair e rir um pouco, ou nos aprofundar em uma história ao ponto de esquecer um pouco da nossa própria realidade. Um lado mais divertido e legal da leitura, principalmente sobre um clube no qual todos leem e opinam sobre a leitura feita, o que pode facilmente influenciar o telespectador a querer fazer parte de um ou criar um clube de leitura com seus amigo.

Sobre a Juliet, desde o inicio do filme podemos identificar, de forma indireta, que ela desenvolveu uma síndrome de impostor no qual não se ver merecedora das próprias conquistas, só que ao mesmo tempo, o amor dela pela escrita deixa uma faísca acessa dentro dela, que a faz ficar submersa na história das cartas e acende a chama de escritora que reside nela. Ir para a ilha era mais que escrever um livro, mas encontrar a própria essência como escritora. Outro ponto interessante na personalidade de Juliet, são as pequenas semelhanças com a Bela de “Bela e a Fera“, desde seu amor pela leitura como seu vestido amarelo no alto da escadaria. Será que temos uma referência ou inspiração?

.ㅤㅤㅤ.ㅤㅤㅤ.ㅤㅤㅤ.ㅤㅤㅤ.ㅤㅤㅤ.

Agora sobre o romance, bem… poderia ser melhor. Novamente podemos ver a síndrome de impostor em Juliet no final do filme com seu namorado Mark, em que pode ser interpretado como uma atitude estupida feito por ela, mas que depois entendemos que foi uma escolha que foi baseada em sua própria essência mais humilde e simples. E sentimos falta de um pouco mais de desenvolvimento no roteiro, que aliás, tinha muito potencial para ser algo muito mais empolgante e emocionante, mas acabaram apostando num caminho mais seguro.

.ㅤㅤㅤ.ㅤㅤㅤ.ㅤㅤㅤ.ㅤㅤㅤ.ㅤㅤㅤ.

Para finalizar, não posso terminar essa resenha sem falar das grandes influências de Bela e a Fera que teve nesse filme. De forma resumida, podemos ver claramente Juliet como Bela, e os outros personagens do filme com o do conto da princesa, até mesmo o menino Eli como a xícara Chip. Se não foi a intenção do filme, então foi uma grande coincidência.

Então, para quem gosta de Bela e a Fera, livros e da magia da leitura, e já se imaginou sendo uma escritora, esse filme irá agradar! pois ele explora o lado curioso de um escritor, e que poderá servir como incentivo para quem quer seguir o mesmo caminho.

A V A L I A Ç Ã O

Diretor: Mike Newell
Duração: 2h 03min
Ano: 2018
Gênero: Drama, histórico
Nota:

Avaliação: 4 de 5.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s